22.10.11

Dos ares da Serra com Wim Mertens



Imagens da Serra dos Candeeiros, captadas em Fevereiro de 2009, perto da localidade de Arrimal, concelho de Porto de Mós, Portugal, acompanhadas ao piano e voz por Wim Mertens, sobre tema denominado 'Geräusch', do álbum 'Der heisse brei', editado em 2000. Este artista atuou no cineteatro de Alcobaça há cerca de dois anos. (vídeo do youtube)

16.10.11

Teste intermédios

Segundo informação do Gave, aqui, só o 11.º ano fará teste intermédio no presente ano letivo.

8.10.11

Uma boa forma de começar

Ao clicares no título deste post, terás acesso, em formato digital, a um livro que brevemente chegará às livrarias da autoria de Desidério Murcho. Neste livro, o seu autor propõe-se explicar o significado de setes ideias que ficaram célebres na filosofia, algumas das quais já tivemos oportunidade de mencionar nas aulas.

"Só sei que nada sei", "No meio está a virtude", "Penso, logo existo" são algumas das ideias que serão analisadas e contextualizadas historicamente.

Trata-se de uma boa forma de começar a ler filosofia sem receio de nada se compreender.

7.10.11

STEVE JOBS (1955-2011)

"O teu tempo é limitado, por isso não o gastes a viver a vida de outra pessoa. Não caias na armadilha do dogma, que é viver de acordo com os resultados do pensamento de outras pessoas. Não deixes que o barulho criado pela opinião dos outros silencie a tua voz interior. E, acima de tudo, tem a coragem de seguir o teu coração, a tua intuição. Por uma razão qualquer, eles já sabem o que tu queres ser. Tudo o resto é secundário."

Steve Jobs

3.10.11

O que um problema tem de ter para ser filosófico?



São muitos os problemas com que o ser humano se depara, mas nem todos têm utilidade para a filosofia. Importa, então, saber o que um problema tem de ter para ser filosófico.


Em primeiro lugar, são filosóficos os problemas que as ciências empíricas (biologia, física, sociologia, psicologia, ...) não conseguem resolver mediante a observação e a experimentação. Daí se poder dizer que os problemas filosóficos são conceptuais e a priori, na medida em que só podem ser resolvidos usando o pensamento e a discussão críticas, por oposição aos problemas empíricos.


Em segundo lugar, nem todos os problemas que apenas podem ser resolvidos usando a argumentação são filosóficos. Tomemos o seguinte problema como exemplo: "Devem os mais ricos pagar um imposto especial?" Este problema é discutível e para ficarmos esclarecidos relativamente a ele, exige a argumentação, mas não é filosófico. Assim, nem tudo o que é discutível é filosófico. Para que um problema, cuja solução depende da discussão crítica, seja filosófico é necessário que indague sobre a natureza da realidade, do conhecimento e dos valores, ou seja, questione crenças básicas (crenças de cuja verdade ou falsidade dependem as demais crenças).


Há quem, erradamente, julgue que a filosofia se envolve em charadas, tais como a de saber quem veio em primeiro lugar, se o ovo ou a galinha. Há também quem argumente que os filósofos se ocupam de problemas que jamais alcançarão uma solução, pelo que esses problemas ou são desnecessários ou estão mal formulados. Aliás, existiu mesmo um filósofo, Ludvig Wittgenstein, que defendeu que não existem problemas filosóficos, pois estes resultariam de uma má formulação, na medida em que na condição de problema apenas devem constar os que têm solução. Contudo, estes argumentos não são muito aceitáveis, pois existirão sempre problemas que ao incidirem em temas de difícil averiguação empírica, apenas poderão ser objeto de reflexão e de discussão. Por outro lado, considerar que a filosofia é inútil apenas porque não alcança resultados com as suas investigações significa ignorar o acervo de conhecimentos que a nossa civilização foi acumulando ao longo de dois milénios e meio, bem como relegar para segundo plano competências que se exigem dos cidadãos, tais como a de saber pensar, saber argumentar e saber tomar posição face a determinadas situações, bem como agir de forma correta e legítima.

A filosofia não é a ciência com a qual ou sem a qual se fica tal e qual, é antes uma disciplina que nos permite construir o nosso pensamento e nos ajuda a ficar esclarecidos sobre problemas que mais nenhuma ciência ousa tratar.


Desafio: Formula na caixa de comentários um problema filosófico. De seguida, indica a área da filosofia ao qual ele se adequa.